segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

MENINA DE ARGILA

Depois de tantos anos, reencontrei uma menina. Ela me contou uma história de uma professora que tinha um olhar pesado e muito frio, e que havia sido muito cruel com ela. A menina por um motivo de esquecimento, ou desconhecimento, não conseguia executar a tarefa do dia e por isso foi extremamente castigada pela professora que a obrigou a ficar sozinha com ela naquela grande sala de aula. Ela sentiu que estava tão sozinha, mas tão sozinha, que ficou com muito medo de ficar ali com aquela companhia triste para sempre.

A menina cresceu e criou um método para nunca mais reviver uma situação daquela. Durante a adolescência e depois na juventude, ela foi construindo os pilares que a defendiam daquele episódio e assim ela criou uma casca muito poderosa em torno de si mesma.
Após muitos anos, num dia chuvoso, cinza e de muito frio, a menina decidiu que deveria procurar pela professora e dizer a ela o quanto havia ficado triste naquele dia. Pensou em perguntar: Por quê? Qual era o motivo de tanta frieza e desconsideração?
Ela queria falar para a professora que a beleza da profissão que ela exerce está na possibilidade de mostrar caminhos, de ajudar na busca do conhecimento e suas conquistas; mas provavelmente ela não lhe daria ouvidos.

Então ela passou a procurar a professora em todos os lugares, vivia perguntando a todos onde poderia encontra-la, mas isso demorou tanto que ela desistiu!!
Foi num dia de primavera ensolarada com cheiro de jasmim, que ela decidiu: vou matar a minha professora!!! Comprou uma barra de argila e criou uma professora altiva e feia, sentada na cadeira em frente a sua mesa de madeira. A menina ficava olhando para a professora e pensando em como a mataria. Por vezes se sentiu envergonhada por querer fazer aquilo, mas por outras, crescia uma satisfação muito prazerosa.

De fato, a dúvida da menina acabou por demorar alguns dias e a argila endureceu. Porém a cabeça feia da professora havia descolado do pescoço e caído no chão. Quando a menina viu aquilo começou a chorar muito, afinal a imagem era muito triste. A menina chorou tanto, mas tanto, que as lágrimas amoleceram a argila e ela começou a amassa-la nervosamente entre os dedos e assim ficou por algumas horas.
De repente ela percebeu que a argila estava numa nova forma, uma forma que ela não conseguia decifrar, mas que aparentemente lhe causou uma felicidade e uma tranquilidade incomum.

Hoje, depois que reencontrei a menina de novo, fiquei sabendo que ela havia encontrado a tal professora e que, sem precisar dizer nada, entregou uma flor feita de argila. A professora sem desconfiar de nada disse: Que menina linda e educada!! Muito obrigada pela flor, vou colocar na mesa de estudos da minha casa e sempre que olhar pra ela, vou lembrar de você.

E foi um grande abraço que selou aquele e este fim.




4 comentários:

Raquel Stüpp disse...

uau Lú!!!!!

Ligia who? disse...

Como teria vivido essa menina se não fosse essa professora?
Nunca saberemos!
=*

H A R R Y G O A Z disse...

You have a wonderful blog! Thank you for sharing.

Lu Holanda disse...

Li, e esse mistério é que mantêm acessa a vontade de descobrir!!!

Harry,thanks for visiting. I like your blog too. Let's share ideas ok?